terça-feira, janeiro 03, 2006

Graça, superabundante graça

"A terra, SENHOR, está cheia da tua bondade".
(Salmo 119.64a)

Há uma discussão entre algumas culturas quanto ao ponto do calendário em que realmente se inicia o ano novo. Para mim, o ano novo começou mais cedo do que de costume. Era o dia 21 de dezembro, quando, em minhas leituras bíblicas deparei-me com um texto que trazia uma verdade, muitas vezes já lida por mim, porém ainda não apreendida. Não até aquele dia. O texto dizia "a terra, SENHOR, está cheia da tua bondade" (Salmo 119.64a).

A filosofia que sempre caracterizou a minha maneira de olhar para a vida, para o mundo, para o ser humano, nunca foi muito como a daqueles que procuram ver o lado bom de tudo. Nunca gostei muito de síndrome de Polyana, a menina da novela que leva seu nome que, esperando ganhar uma boneca de presente, mas que em lugar disto ganhou um par de muletas, começou a alegrar-se pelo fato de não precisar delas.

Quanto a mim, olhava para o mundo sempre lembrando a queda do ser humano no pecado, a maldição resultante não só sobre ele e sua descendência, mas também sobre toda a natureza. O fato de que as melhores experiências da vida, ter filhos e gerenciar a Terra, haveria de ser feito em meio a dores e abundante cansaço é que enchia os meus olhos.
Naquela noite das minhas referidas leituras, todavia, senti que Deus me fazia relembrar e entender, de toda minha alma, talvez, pela primeira vez, que onde o pecado abundou, superabundou a graça.

Não podendo acreditar nos insistentes pensamentos, equivocados segundo minha perspectiva, de que houvesse gente boa no mundo, gente que realmente buscava o bem de outrem, e de que pudesse haver, na humanidade, qualquer esperança para ela mesma, resolvi nunca esperar nem tentar achar nada de bom por aí. Porque de fato não iria encontrar.

O que ocorre é que, decorrente de meu realismo naturalista, fui perdendo o entendimento da graça de Deus que faz a sua bondade encher a terra, ainda que seja ela uma terra caída em pecado e guardada para tempos de juízo e condenação.

É como João testemunhou sobre a Luz, o Logos: as trevas não lhe podem resistir. O sábio Salomão já tinha escrito que a luz do amanhecer surge justamente quando mais alta vai a madrugada, quando mais escura é a noite.

O profeta Jeremias exerceu o seu ministério no momento mais difícil que um profeta poderia fazê-lo. A profecia que vinha de Deus para ele anunciar ao povo era de ameaça e destruição e ele levava esta mensagem a eles exatamente quando essa mesma profecia estava sendo cumprida. Ele aprendeu uma estratégia para si mesmo e ensinou aos seus leitores e muita gente a tem praticado: "trazer à memória aquilo que pode dar esperança".
Conquanto tenha sido um profeta que exerceu o seu ministério em meio ao pranto, tinha uma atitude positiva.

Faltava-me aprender tal lição. E não se aprende isso a não ser como uma dádiva da operação do Espírito de Deus. Não há lugar onde o pecado que desgraçou a humanidade isente-a da graça de Deus. Isso é absolutamente paradoxal.

O ser humano des – graça – do tem oportunidade de experimentar a graça abundante de Deus.

2 comentários:

  1. É sempre um privilégio ver como a sabedoria de Deus se manifesta em você.
    E olha só a ironia! Logo você por um momento pensou em acreditar que não haveriam pessoas boas. Ah, se todos fossem com você!
    De qualquer forma, devo dizer: feliz, muito feliz, ano novo!

    ResponderExcluir
  2. Sempre gostei de seu modo de pensar e refletir a Palavra de Deus. É um misto de bom senso, lógica, razão, sensibilidade e coerência. Abraço, Chafic

    ResponderExcluir